terça-feira, 23 de setembro de 2008



O PANDA TAOTAO


Quem não se lembra do "Panda TaoTao", se tiver tido oportunidade de ver a série quando ela cá passou na televisão? É uma série muito bonita! Em cada episódio a Mãe Panda conta uma história ao filho TaoTao e o espectador vê essa história (quando nos episódios é precisa a voz de um narrador, essa voz é a da Mãe Panda). As histórias são belas lendas e contos tradicionais ou mitológicos de todo o mundo. Os desenhos são muito bonitos também.
Vou contar-vos aqui duas histórias (dois episódios, portanto) que não só são das minhas preferidas, como também, pelo que já percebi, marcaram muita gente que as viu na altura e que agora se recorda delas mas por alto e gostava de as relembrar.
Em primeiro lugar, vou contar-vos a história da Princesa das Estrelas, Vega (o nome do episódio é mesmo "A Princesa das Estrelas"). É a história de um rapaz que vivia numa região campestre, na China. Era bondoso e trabalhador. Um dia, o seu vitelo adoeceu e ele tratou dele com todo o cuidado até ele ficar bom. Quando o vitelo recuperou, falou com o rapaz (para grande surpresa do último, que nem queria acreditar que o seu vitelo podia falar) e disse-lhe que ele tinha sido muito bom para ele e que por isso lhe queria mostrar uma coisa especial. Levou então Tchong (não sei como se escreve, nunca vi escrito, mas é assim que soa) a um lago onde o rapaz, escondido, viu descerem do céu várias estrelas, entre as quais a da Princesa das Estrelas, Vega. Quando as estrelas chegaram junto do lago transformaram-se em meninas. Surpreendido, o rapaz ficou a observá-las (durante esse tempo o vitelo disse ao rapaz para ir buscar o manto da Princesa, que ela tinha pousado, e para o fazer sem ser visto). Quando chegou a hora de se irem embora, todas se voltaram a transformar em estrelas menos a Princesa, que não podia voltar a transformar-se e a ir para o céu sem ser com o manto. Aí ele foi dar-lho e ficou a conhecê-la (o objectivo do Vitelo era esse mesmo, eles conhecerem-se). Ela voltou então para o céu e nos dias seguintes ele não conseguiu deixar de pensar nela. Quando o vitelo percebeu isso, disse-lhe que havia ainda uma coisa que tinha a dizer-lhe. Explicou então que vinha do céu e por isso podia levá-lo até lá para ir ter com a princesa. E assim aconteceu, foram os dois até ao céu. Quando lá chegaram, a princesa (que estava nessa altura a tecer seda celestial, a qual, explica a narradora - a voz da mãe panda - é o nosso nevoeiro) ficou muito feliz, porque ela também não tinha conseguido deixar de pensar nele. Decidiram ir os dois ter com o pai da princesa e explicar-lhe que queriam ficar juntos, receando porém que ele não aprovasse. No entanto, o pai aprovou de imediato, porque tinha sido justamente ele a mandar o vitelo para junto do rapaz (porque este lhe tinha parecido ter as características ideais para a filha e queria que o vitelo confirmasse se assim era). Mas o rei, pai da princesa, impôs uma condição: o rapaz poderia ficar lá e casar com a sua filha, mas nunca mais podia voltar à Terra; se o fizesse, ficaria separado da princesa para sempre. O rapaz ficou então a viver no céu com a princesa, muito felizes. No entanto, um dia, ele espreitou, viu a terra lá em baixo e ficou com saudades. Por isso, pediu ao vitelo para o levar até lá só por um bocadinho, sem que houvesse tempo para o pai ou qualquer outra pessoa descobrirem. O vitelo (que no céu assumia a sua verdadeira forma de guarda do palácio ou algo do género) desaconselhou-o, mas, perante a insistência, acabou por levá-lo. Quando iam a sair do céu, uma barreira mágica ergueu-se entre eles e o céu. A princesa e o rapaz ficaram a olhar um para o outro de longe, destroçados, percebendo o que tinha acontecido. Tiveram de ficar separados para sempre, ele a viver na Terra e ela no céu. = ( No entanto, ao ver que os dois se amavam verdadeiramente, o pai resolveu conceder-lhes uma atenuante: um dia no ano em que os dois podiam encontrar-se. Assim, eles passaram a viver para esse dia, o dia do ano em que podiam estar juntos.
Acho esta história linda e os desenhos também são muito bonitos e mágicos. =)
A outra história é a do rei crocodilo, que, para salvar a mulher, a rainha crocodilo, que fica gravemente doente, faz uma longa e perigosa viagem (que, se não fosse a força do amor dele por ela, teria sido mortal), para ir ao local em que vai encontrar o que lhe foi indicado como o remédio que poria a rainha boa. O rei mal sabia que esse remédio (um fígado de macaco!!!) e a ilha onde o rei o poderia encontrar eram só invenção do ministro malvado que queria ficar com o reino para ele (se o rei morresse, isso seria mais fácil e a forma de o fazer morrer seria fazê-lo lançar-se numa longa e perigosa viagem, à qual não resistisse). Por incrível que pareça, o rei acaba por encontrar uma ilha que se parece muito com a descrita pelo ministro e pensando que é essa ilha, pede a um dos macacos que este lhe dê o seu fígado para salvar a mulher. O macaco, obviamente, não lhe dá o fígado, mas sim um figo e é com esse figo que o rei volta para o seu reino. Por muito espanto que cause, o rei consegue de novo sobreviver à viagem e, quando dá o figo à rainha, ela fica realmente boa! Provavelmente, é uma "recompensa" pelo verdadeiro amor que sente por ela, pelo sacrifício que fez para a salvar. =)
Isto assim contado não tem graça nenhuma, mas no episódio é muito bonito! É uma bela história!


Nome original da série: Tao-Tao Ehonkan Sekai Dôbutsu Banashi
Autor: Kazuo Miyamoto
Realização: Taku Sugiyama, Shûichi Nakahara
Ano da realização da série: 1983/1984

Sem comentários: